Como usar o escapulário de Nossa Senhora do Carmo?

Será obrigatório, por acaso, portar o escapulário de pano ou se pode substituí-lo por uma medalhinha? Todo novo escapulário precisa ser abençoado antes de ser colocado? Que figura deve ir estampada neste sacramental?

Como já foi visto, o escapulário do Carmo, por promessa da própria Mãe de Deus ao santo inglês Simão Stock, em 1251, é um instrumento que garante proteção nesta vida, assistência na morte e alegria na eternidade. “Ninguém pense, todavia, que, usando essa veste com preguiça ou torpor espiritual”, adverte o Papa Pio XII, “mesmo assim terá assegurada a sua salvação eterna”. De fato, os efeitos do uso desse “hábito mariano” não se dão magicamente, mas de acordo com as disposições espirituais de cada um [1].

Posto isso, é preciso que aprendamos a usar corretamente o escapulário, atendendo às condições que a Igreja prescreve.

Em primeiríssimo lugar, por comportar uma espécie de integração na família espiritual carmelita, o ato de receber o escapulário deve ser feito por imposição. Durante a cerimônia, diz o atual “Rito de Benção e Imposição do Escapulário de Nossa Senhora do Carmo”, “deve ser usado o Escapulário do Carmo na sua forma tradicional”, isto é, aquele feito de tecido e de cor marrom, o qual “só depois pode ser substituído por uma medalha apropriada” [2], conforme autorização concedida em 1910, pelo Papa São Pio X [3].

Quem pode realizar essa imposição? Antes do Concílio Vaticano II, era necessário que tal imposição fosse feita por algum sacerdote delegado pela própria Ordem dos Carmelitas. Atualmente, diz o mesmo ritual aprovado pela Congregação para o Culto Divino, “têm a faculdade de benzer o Escapulário os sacerdotes e os diáconos; além disso, outras pessoas autorizadas podem também fazer a sua imposição” [4].

É muito conveniente, mas não é absolutamente necessário, que o escapulário possua uma imagem de Nossa Senhora. Basta, como já dito, que ele possua dois pedaços de pano unidos por tiras, como uma veste que se impõe sobre o pescoço.

Também é importante lembrar que, uma vez feita a imposição nos moldes acima descritos, a bênção se transfere para a pessoa, pois ela se torna como que membro permanente da família carmelita, de modo que, deteriorado ou perdido o escapulário, basta que ele seja substituído por outro, não sendo necessário benzê-lo.

 

 Fonte: http://pt.aleteia.org

A história do primeiro católico do Butão que se tornou sacerdote graças à Madre Teresa

 

DARJEELING, 06 Set. 16 / 06:00 am (ACI).- Kinley Tshering havia se convertido ao catolicismo, embora em seu país, Butão, não fosse permitido. Mas, ele sentia o chamado a dar um passo a mais. Arrasado pela incerteza, pediu ao Senhor um sinal e este chegou quando Madre Teresa se sentou junto dele em um voo para Calcutá. Foi então que sua vida mudou.

Único católico convertido no Reino budista de Butão, Kinley Tshering trabalhou em 1986 como representante de uma casa indiana de biscoitos e bebidas. Segundo ‘Religión en Libertad’, ele havia se convertido ao catolicismo na Índia, estudando em uma escola católica em Darjeeling, aos 15 anos, em 1974, e logo se aprofundou em sua fé, estudando com os jesuítas em Bangalore e Mumbai.

Tinha recebido os sacramentos em segredo: até 1995, não houve plena liberdade religiosa no Butão. “Desde 1974 sentia uma inquietação dentro de mim”.

“Eu sempre quis consagrar minha vida a Cristo como sacerdote. Mas, meus estudos profissionais, as pressões da família e meu estilo de vida não estavam ajudando a tomar uma decisão final”.

Nesses momentos, de esgotamento diante da incerteza da vocação, Kinley rezava a Deus para lhe dar um sinal. “Recordo de dizer a Deus: ‘tem que me dar um sinal como esse [dado] a Teresa do Menino Jesus, ao ver a neve no verão, mas o suficiente para que eu não duvide’. Assim, rezei naquela viagem em uma Missa, no domingo, perto do hotel”.

Foi quando encontrou com Madre Teresa em um voo para Calcutá.

“Meu coração batia com força e eu respirava com dificuldade (...) Ela ficou cheia de curiosidade quando lhe disse que vinha do Butão e era católico. Expliquei que eu tinha me convertido e, em pouco tempo com ela, soube da angústia do meu coração: meu desejo de ser sacerdote, mas todas as tentações que tinha. Tomou-me pela mãe e me disse: ‘Eu não digo isso a muitas pessoas, mas te digo: você tem uma vocação, seja generoso com Deus e Ele será generoso com você’”.

“Meus olhos se encheram de lágrimas e chorei todo o caminho para Calcutá, cheio de alegria. Eu tinha pedido a Deus por um milagre para afirmar a minha vocação e o Senhor me enviou um anjo, como [aconteceu] à Virgem Maria. Não tinha nada mais a dizer a não ser ‘aqui estou, sou o servo do Senhor, faça-se em mim segundo a tua palavra’”.

Poucos meses depois, Kinley Tshering entrou para o noviciado dos jesuítas no Monte Carmelo, em Kurseong.

Após sua ordenação sacerdotal, Pe. Kinley viajou a Calcutá para agradecer a Madre Teresa por sua ajuda. Ao vê-lo, a primeira coisa que ela disse foi: “Durante os últimos dez anos rezei por você”. Kinley foi o primeiro sacerdote católico de Butão e é atualmente o superior dos jesuítas de Darjeeling.

 

Fonte: http://www.acidigital.com/